domingo, junho 10, 2018

O que tenho para lhe dar

o que tenho para lhe dar

Quando eu me encontrar com ela eu vou casar
Colocar uma aliança no dedo anular
É com ela que eu quero ficar
Vou leva-la para o altar

É comigo que ela vai morar
Não quero saber o que vão pensar
Ela será para sempre o meu par
Juntos vamos dançar e a vida celebrar

Quando eu me encontrar com ela tudo vai mudar
Minha vida vai melhorar
Com certeza ela vai gostar de tudo o que eu tenho para lhe dar

Imagem do post: Tumblr / Here are beautiful people

sábado, junho 09, 2018

Noção do tempo

nocao do tempo

Limpa a mente antes de deitar. Esqueça tudo e vá passear. Não se incomode com o meu mal estar. Não se incomode com o meu jeito de pensar. Eu sou assim, um pouco errante, até navegante, dependente daquilo que já vivi. Eu sou assim, forma de papel moldado pelo vento, tentando sugar o que há de melhor em todo lugar.

Linha de chegada. Ponto de partida. Vida vivida. Morte anunciada. Infantilmente perdemos tempo brincando de ser e nunca entendemos que para ser é preciso antes de tudo pertencer.

Foi com um pouco de algodão no breu que ele nasceu. Foi com tudo o que não se perdeu. Foi com calma e coragem, foi sem perder a viagem e antes de tudo foi sem perder a noção do tempo.

Imagem do post: Tumblr / As I see You

terça-feira, maio 01, 2018

Comida di Buteco 2018 – Bobô Bar – Boi que não bobeia

bobo1

Um bar bem tranquilo escondido no Méier, com muitos encantos. Um bar com a cara do subúrbio, a cara do Méier.

O Bobô não é novo, mas não é velho. Fica ali entre a novidade e a experiência de quem sabe criar bons pratos e atender com qualidade. Ambiente agradável, mesas na calçada, varanda descolada e salão aconchegante.

O prato com que eles decidiram concorrer parece um mais do mesmo, o famoso escondidinho, mas a diferencial deles é que o tempero consegue fugir daquilo que conhecemos. Não é um escondidinho sem graça. Não tem a novidade, não tem a surpresa, mas tem o sabor.

bobo2

A versão do Bobô Bar para o escondidinho leva massa de mandioca com queijo, chips de banana da terra e recheio de costela com agrião.

Chama à atenção a porção generosa, que serve mais de duas pessoas sem problemas. A costela é muito bem feita, macia, desmanchando, mas em minha opinião um tanto quanto salgada. A massa é leve, compõe bem o prato, mas os chips de banana da terra, dois apenas, não fazem muita diferença.

É um excelente prato, mas para mim, devido à falta de inventividade, perde alguns pontos.

Ps.: Aproveitei que já estava lá para provar o concorrente deles no concurso da farinha Dona Benta, uma coxinha de costela. A coxinha foi muito bem frita, mas o recheio estava insosso, não tinha graça alguma. Fosse a mesma costela do escondidinho, a coxinha teria muito mais chances de fazer sucesso.

Imagem do post: Le Eco LEX626

domingo, abril 22, 2018

Comida di Buteco 2018 – Enchendo Linguiça – Jeitinho Brasileiro

Ah é o Enchendo Linguiça... Ah o buteco é foda... Ah o Chagas é o melhor garçom do mundo...

IMG_20180421_164509[1]

Isso até soa legal vindo da boca dos fãs do lugar, mas não transforma o petisco deles em hours concurs. Esse ano eles mandaram mal.

Um mix, com duas linguiças, um purê de mandioquinha com queijo, picles de cebola roxa e chips de banana da terra. Essa é a composição do Jeitinho Brasileiro.

IMG_20180421_164455[1]

A forma como ele é servido, em uma bandeja com o formato do mapa do Brasil chama a atenção e ficou bem legal, mas o petisco em si é bem sem graça. As linguiças são boas, uma de pernil recheada com queijo coalho e outra de costela, só que achei a quantidade pequena.

Os chips de banana da terra e o picles de cebola roxa também vêm em pequenas quantidades e quase nem dá para sentir o seu sabor. Acompanha o prato manteiga de garrafa e geleia de pimenta. O purê, que vem em grande quantidade é insosso e aí é que você deve usar a geleia de pimenta para dar sabor ao mesmo.

IMG_20180421_164512[1]

No geral o enchendo linguiça é um puta buteco do caralho, dos melhores, mas a sua fama não ajudou.

Imagem do post: Le Eco LEX 626

Comida di Buteco 2018 – Santo Remédio – Te peguei pelo pescoço

Criatividade! Presente!

IMG_20180421_153310[1]

Bolinho de pescoço de peru com ragu de linguiça e coxa de peru. Te peguei pelo pescoço.

Isso eu gosto, novidade!

O Santo Remédio é um bar pequeno, com mesas na calçada, mas muito simpático. É ali que os amigos se reúnem para tomar uma cerveja bem gelada, a mais gelada que tomei, um bom drink feito ali, no meio da rua, pelo barman e para comer bem, muito bem.

Ontem o atendimento estava caótico, o bar estava lotado. Tudo muito confuso e alguns itens deixaram a desejar, como a higiene do local. O pessoal não estava dando conta. Conseguimos uma mesa no susto, fomos atendidos na base do “Ei, estamos aqui” e esperamos pelo petisco enquanto outras mesas eram servidas na nossa frente.

Relevando essas coisas, até porque eu vi o esforço deles em melhorar, o petisco é bom, muito bom.

O bolinho de pescoço é saboroso, mas não é crocante por fora. Não sei se pelo caos do dia ou se é assim mesmo, ele estava um tanto quanto “molenga”. Por dentro é muito cremoso.

IMG_20180421_153319[1]

O ragu de linguiça é delicioso e ainda vem com um ovo de codorna frito por cima. As torradas que acompanham o prato poderiam ser substituídas por um bom pão fresco, mas não comprometem o todo. Comparando com outros petiscos a porção é pequena e aí me vem à mente a coisa do custo x beneficio. Eles usam carne peru que não é tão barata, então para ter algum lucro cobrando no máximo R$ 25,90, a porção talvez tenha que ser aquela.

Parabéns aos criadores do prato, pois no quesito inventividade e sabor eles mandaram muito bem.

Imagem do post: Le Eco LEX 626

Comida di Buteco 2018 – Em nome do pai e do filho – Gostim Arretado

Olha a carne seca ai de novo!

IMG_20180421_140119[1]

Dessa vez ela aparece desfiada, bem temperada e acebolada. Ela vem acompanhada de aipim frito, queijo coalho frito, manteiga de garrafa e farofa.

Criatividade? Nenhuma.

IMG_20180421_140128_1[1]

Todo buteco, por mais chinfrim que seja serve esse prato. Alguns até com mais qualidade do que o servido pelo Em nome do pai e do filho. Não que o prato deles seja ruim, mas eles não fizeram nada diferente do que a maioria já faz com esses mesmos ingredientes.

É isso que me deixa chateado quando os butecos tem liberdade para criar e não criam. Esse ano não tem ingrediente fixo, não tem regra definida e qualquer outra limitação. A única possível justificativa seria o valor do prato, que pode custar no máximo R$ 25,90 e aí, o uso de alguns ingredientes oneraria os custos.

IMG_20180421_140125[1]

Não tenho muito que falar do petisco.

É bem servido apesar de o garçom sugerir duas porções para quatro pessoas, é saboroso, é bem apresentado, mas é mais do mesmo. Dito isto o buteco e muito legal, tem outros petiscos bem interessantes e vai receber uma nova visita minha, quando acabar o concurso.

Imagem do post: Le Eco LEX 626

Comida di Buteco 2018 – Bar da Gema – Feitiço

Pintou o campeão!

IMG_20180421_124334[1]

Estou brincando...

Não provei todos os concorrentes ainda, portanto, não posso falar isso, mas em minha opinião dificilmente alguém vai conseguir bater o Da Gema.

O Bar da Gema é um dos meus preferidos quando o assunto é buteco e em todos os anos de concurso que tive a oportunidade de visita-los eles nunca decepcionaram. Lá a comida tem sabor, tem alma, tem tudo àquilo que se procura em um bom petisco.

IMG_20180421_124340[1]

Esse ano eles estão concorrendo com o Feitiço, que é um pirão de carne com agrião e pedaços suculentos de carne que desmancham na boca. Tudo isso vem acompanhado de um pão francês macio.

A apresentação do prato já mostra que eles não vieram para brincar. O Feitiço é servido sobre um tijolo, dentro de uma panela de barro e vem com potinhos de barro individuais para cada um tomar a sua porção. Pura bruxaria deliciosa.

IMG_20180421_124452[1]

O pirão de carne é cremoso, saboroso e vem quente na medida certa. Não queima a boca, mas aquece a alma com prazer. Poderia ter vindo com pimenta a parte sem que fosse necessário pedir, podia vir com mais pão, mas esses pequenos detalhes não tiram o brilho do prato.

Quem for não vai se arrepender e ainda vai sair querendo bis. É um petisco que serve com tranquilidade quatro pessoas, mas que eu comeria sozinho sem problemas. Até agora o melhor que já provei.

Imagem do post: Le Eco LEX 626

Comida di Buteco – Bodega do Sal – Maré Cheia

bodega2

Comer em frente à Pedra do Sal, ouvindo uma boa música já dá muitos pontos para a Bodega do Sal, mas não é isso que temos que levar em conta. O que vale para o julgamento é a qualidade do petisco, o bom atendimento, a cerveja gelada e a higiene do local.

E a Bodega do Sal tem tudo isso. O petisco deles é bom, o atendimento é bom, a cerveja é gelada e a higiene do local é nota dez.

Para mim o lance da criatividade é mais ou menos isso, um bolinho de sardinha servido com pesto de coentro. Ponto. Não fizeram altos malabarismos, não foram à lua inventar ingredientes mágicos e muito menos tentaram reinventar a roda.

bodega1

O tal bolinho de sardinha é frito com maestria. Crocante por fora, sequinho, sem uma gota de gordura e cremoso por dentro. Não tem aquele gosto forte e por vezes enjoativo de sardinha, é leve na medida. O pesto de coentro dá ainda mais sabor ao bolinho e os dois funcionam muito bem em conjunto.

Cerveja gelada, boa musica e bom petisco. Precisa mais? Não se preocupe, eles tem.

Imagem do post: Le Eco LEX 626

Comida di buteco 2018 – Angu do Gomes – Empada do Angu

Gomes1

Pense em uma empada deliciosa com recheio cremoso de carne seca, creme de polenta e queijo por cima. Pensou? Então esquece isso porque se você for ao Angu do Gomes, o que vai encontrar é uma empada seca, feita com “massa de angu!?”, recheio nada interessante de carne seca e só.

A ideia do petisco em si até parece boa, mas ai, quando você pensa no todo da coisa é que se dá conta da falta de criatividade do negócio. O tema desse ano é livre e todos os butecos poderiam e deveriam ousar, mas alguns resolveram ficar no velho feijão com arroz, usando a boa e grande conhecida dos butequeiros, a carne seca.

Gomes2

A carne seca não e ruim, é excelente como ingrediente, mas esse ano, que o tema permite e pede a inovação, acho que ela deveria ser usada em receitas mais originais e não como usualmente já é servida. O Angu do Gomes tentou criar uma empada diferente, mas só conseguiu criar algo difícil de comer.

A tal massa de angu esfarela e já chega à mesa em pedaços, pelo menos foi assim que veio no prato da minha esposa. O recheio, que na descrição dizia ser de polenta cremosa e carne seca, era apenas uma bola, literalmente, de carne seca, algo sem muita identificação. Haviam alguns cubinhos de linguiça no meio disso tudo, mas que não fizeram a menor diferença no todo.

Caso pensem que não vale a pena a visita para experimentar, eu vou vos digo que vale a pena experimentar, mas já de antemão aviso que a chance de não gostar da coisa, como eu, é grande.

Imagem do post: Le Eco LEX626

segunda-feira, abril 16, 2018

Tem que ser agora

tem que ser agora

Tem que ser agora
A vida passa tão depressa
O tempo voa e se a gente se adora
Deixa chegar mais perto

Quando vai embora
A noite é longa, o dia é feio
Tudo é chato se não tem o seu beijo
Você é meu maior desejo

Eu quero mais, eu tô afim e se você gosta tanto assim de mim
Não há porque esperar mais vem cá me beija e mora em mim

Amor eu tô aqui pra te pedir deixa fluir e seja assim do jeito que for

Amor você chegou ate aqui e se instalou, não dá mais pra negar que é amor

Amor é bem assim é só sentir e se é amor a gente ama e deixa seguir

Walmir Borges

 

Contos e encantos Copyright © 2007 - |- Template created by O Pregador - |- Powered by Blogger Templates